Limites

limites

Uma garota de oito anos adorava jogar Damas com a mãe. Ela jogava bem e muitas vezes ganhava, o que lhe dava imenso prazer, mas quando percebia que estava perdendo o jogo dizia: “ah…não quero mais jogar”. De tal forma isso se repetia que a mãe começou a não gostar nada da brincadeira, percebia que alguma coisa não estava bem…Ficava, não apenas preocupada com a atitude da filha, mas também pessoalmente incomodada, frustrada pelo abandono do jogo. Naquele momento, não estava em questão apenas sua função materna, mas também a própria vontade de “brincar”. Decidiu então colocar “um limite”. Quando a filha veio pedir para jogar, disse: “sim, vamos jogar, mas o jogo tem que ir até o fim”. Nada fácil para ambas, a mãe jogava para ganhar, a garota suportava a situação, ia até o fim e, por vezes, conseguia ganhar.
Essa criança descobriu que aguentava perder e isso a libertou para outras atividades que apresentavam algum risco. Livrou-se da necessidade de interromper tantas vezes o que gostava de fazer por medo dos resultados.
Ao contrário do que habitualmente se pensa, limites bem colocados, adequados à idade, ampliam a liberdade da criança!
·

Helena Grinover e Marcia Arantes

http://marciaarantes.com

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s