Dito e feito

ditoefeitoO pai chega em casa à noite e… surpresa!! O filhinho querido, no auge do poderio dos seus 3 anos de idade, havia feito vários desenhos na parede recém pintada da sala. E agora? O que fazer? Reação imediata: dar uma bronca, já tinham combinado que não podia fazer isso. Castigo? Sentimentos díspares invadem o pai, provavelmente cansado do trabalho. Ele gastou um bom dinheiro para pintar as paredes, mas afinal o filhote colocou ali suas produções mais caprichadas, que merecem todo o respeito, vai ver quis agradar…ou quem sabe, está bravo porque ficou muito só durante o dia, não estão lhe dando a atenção devida, enfim, muitas hipóteses…Por vezes, muitos pensamentos desviam o educador da necessidade de preservar o limite.
Aos três anos de idade a palavra dos pais ainda não tem muito poder para coibir a ação da criança, especialmente se não estiverem presentes no momento do ocorrido . Mas temos visto crianças mais velhas demonstrando também quão pouco essas palavras têm poder sobre elas. Os pais se queixam da falta de efeito do que dizem: é desgastante, cansativo.
O que fazer? O que o pai desse garotinho pode fazer para que no futuro não venha a se deparar com a mesma questão? Sua palavra precisa ser ancorada no respeito pelo que é dito, ou seja, o que é falado precisa ser efetivado e cumprido dos dois lados, do pai e do filho. A dose de rigor a ser aplicada em cada idade e em cada situação é diferente.
Combinar algo que, nem a criança nem o adulto, conseguirão cumprir, fragiliza o processo de construção do valor da palavra, por isso é importante que os pais dosem as exigências. Fica difícil quando os filhos começam a pensar: Ah… meu pai fala, mas depois…
No caso do garoto ‘pintor’ o pai deveria solicitar a participação do filho para limpar a parede, deixando-a na cor que estava. Mesmo que o resultado não seja igual à parede pintada por um adulto, é uma maneira da criança reparar o erro e ver que o pai não estava ‘só falando’.
Ocorre que muitas vezes os pais sucumbem ao cansaço e acabam ‘deixando pará lá’. Dá trabalho sustentar a própria palavra, mas não há outro meio para transmitir a ideia de que ‘ o dito é pará valer’.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s