Quem dá a ultima palavra?

Quem dá a ultima palavra?

Nos últimos tempos, a mãe de Marcelo tem se defrontado com uma negociação constante. Sempre que pede a ele para fazer algo que o desagrada, o garoto resiste muito. Quando finalmente aceita, diz o segunite: tá, mas eu que faço!
A condição aparece em várias  situações: ‘eu que desligo a televisão para ir tomar banho’, ‘eu que tranco a porta na hora de sair’, ‘eu que empurro o carrinho no supermercado, ‘eu que pego o shampoo’ e por aí vai…
Quando não é possível deixar que Marcelo fique com ultima palavra, ou seja suas condições não são aceitas, ele fica extremamente frustrado, bravo e se põe a chorar. O que estaria acontecendo?
O  menino está com três anos, já construiu a idéia de que é alguém nesse mundo, mas ter que abrir mão dos seus desejos lhe parece quase como deixar de existir. Torna-se insuportável, nesses momentos, receber ordens sem ter outra alternativa que não seja a de obedecer e ponto final. Precisa colocar seu ‘eu’ em primeiro lugar, para depois poder acatar o desejo dos outros.
Seria hora de fazer valer a palavra dos adultos? O respeito à autoridade estaria em cheque? Visto que a insistência de Marcelo é grande, assim como a dor, ao ter que se submeter, pensamos que é hora de dar a ele algum espaço para o exercício do poder. O garotinho está cultivando um brotinho de personalidade que, como semente que acaba de despontar, precisa de sol e ar para se fortalecer.
Convém  fazer como sua mãe tem feito: quando for possível, permitir que ele dê a última palavra. Caso contrário é ela quem define os limites, protegendo e podando a ‘plantinha’. As duas atitudes são importantes!
·

Helena Grinover e Marcia Arantes

Serviços

3 pensamentos sobre “Quem dá a ultima palavra?

  1. Bom dia! Interessante o texto e deixa a refletir.

    Tenho uma menina de 5 anos e 8 meses, e como toda criança, tem suas birras, suas imposições e também suas alegrias…

    Como mãe, penso sinceramente que é preciso haver um equilíbrio entre deixá-los dar a última palavra e darmos também… E se derem, sempre explicar porque eles tem que fazer tal coisa…

    Vemos muitas famílias sem um equilíbrio necessário por falta de limite na infância… Não queremos ter adolescentes dominadores em casa não é mesmo?
    E isso é preciso ser “moldado” na infância para não termos surpresas mais tarde…

    A dor, o choro de não poder dar a última palavra, passa… Eles não choram para sempre… Trauma nenhum será causado por deixá-los chorar e virem mais calmos, se ensinamos com limites e amor…

    As próprias crianças cobram esse limite da gente… Ela precisam de atenção.. e limites é uma forma de mostrar que elas são importantes…E sentem necessidade de saber disso a toda hora…

    Os pais é que são os responsáveis, eles que dominam, eles que tem o discernimento maior para saber o que é certo e errado.. A criança não… Elas são apenas crianças e não devemos esquecer disso…

    Amor e limites.. tenho certeza que é uma dupla de sucesso…

    Beijos grandes…
    Teresinha Nolasco

  2. Teresinha,os limites são mesmo fundamentais,oferecem as interdições necessárias para a constituição do psiquismo.Nosso texto pretende chamar a atenção para a insistência tanto da criança, quanto do adulto. A flexibilidade pode evitar que ambos se fixem em posições obstinadas e no caso que abordamos é preventiva.Obrigada por sua participação.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s