Mentira de criança

d1d0b492fa1d4bb3a93d892f2ab11313

O psicanalista Contardo Calligaris, em sua coluna no jornal ‘A Folha de São Paulo’ do dia 21 deste mês, ao expor suas idéias sobre os efeitos da tortura, refere-se à maneira como alguns pais lidam com ‘mentiras’ de   suas crianças. Diz ele a certa altura:
” Quase sempre, quando uma confissão é exigida, as crianças mentem com obstinação diretamente proporcional à de seu acusador. Elas fogem assim de uma humilhação radical, em que renunciariam à sua própria subjetividade: desistiriam de ter segredos e aceitariam que a versão do acusador substituísse a versão que elas gostariam de contar como sendo a história delas. Claro, se você insistir, ameaçando a criança com punições cada vez mais requintadas, a criança talvez ‘confesse’, mas a confissão será apenas um ato de desistência, em que mesmo o inocente se dirá culpado do jeito que o acusador pede”.
Concordamos com essas afirmações. Entretanto,  pais e educadores que desejam criar futuros cidadãos comprometidos com a verdade, se preocupam com a conduta ética das crianças. Com razão, sabemos dos males causados na sociedade pelas palavras usadas para encobrir e falsear.
Para refletir sobre essa questão, podemos caminhar mais um pouco e pensar que ao acolher a insistência das crianças, especialmente as menores, em manter suas ´mentiras´, os adultos estão respeitando na ´verdade´ sua integridade psíquica. Se ela ainda não pode abrir mão das próprias versões sobre os fatos, é porque isso  atingiria profundamente seu valor pessoal. É esse respeito que favorecerá, mais tarde, a capacidade e a coragem do indivíduo para ser mais honesto. Pessoas que foram submetidas, ´dobradas´, têm motivos para não saber expressar o que pensam e temer o confronto com seus semelhantes. Portanto, tendem a ser mais dissimuladas, ´mascaradas´.
O modelo de honestidade que a criança precisa ter para ocupar uma posição ética, está na atitude dos educadores, na maneira como resolvem as situações sem exercer violência moral. Mesmo quando a criança não tem condições de assumir uma confissão, deve ser chamada, de acordo com sua idade, a corrigir ou consertar o dano que causou.  Isso a responsabilizará, mantendo sua dignidade.
.

Referência: Para que serve a tortura

·

Helena Grinover e Marcia Arantes

Serviços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s