Ciúmes

Ciúmes

Carla tem três anos de idade. Acaba de chegar em casa seu irmãozinho, cujo nascimento está sendo  muito festejado pela família. Os adultos conversam na sala enquanto a garotinha e o bebê estão no quarto. A mãe, atraída pelo silêncio dos filhos, vai vê-los e encontra o pequenino totalmente coberto por duas mantas de lã. Ela se assusta: `O que você fez Carla? Quer esconder seu irmão? Está proibida de fazer isso novamente, entendeu?!´
Essa reação da mãe, aflita com  o que imaginou ao ver a cena, nos parece interessante.
Sem criticar a filha por ter o desejo de `sumir com o nenê´, o que apenas a faria se sentir culpada, coibiu fortemente sua ação.
É inevitável que surjam tendencias hostis entre os irmãos em diferentes momentos da vida, e ter conhecimento delas torna a criança mais apta a exercer controle sobre sua impulsividade. É sempre mais fácil lutar contra algo conhecido do que contra o que se desconhece.
Essa história serve para pensarmos em inúmeras situações em que os adultos julgam e criticam as crianças por seus desejos e sentimentos, mas descuidam do exercício da interdição: marcar com seriedade os limites que jamais devem ser ultrapassados, ou seja, os desejos que não podem ser realizados. Elas necessitam desta colocação firme para ter maior segurança emocional e física, pois ambas caminham juntas.
A melhor proteção é a que está instalada internamente, na consciência de cada um, e que se desenvolve desde cedo.
·

Helena Grinover e Marcia Arantes

Serviços

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s