O que fazer com a culpa?

O que fazer com a culpa?

‘De novo seu irmão chorando’? diz o pai, irritado. ‘A culpa não é minha…’ responde o garoto. ‘Não quero saber, se seu irmão vier chorando mais uma vez, você vai ficar de castigo, uma semana sem televisão’, é a resposta imediata.
Não é fácil lidar com essas situações repetitivas sem perder a paciência.
O que estará acontecendo entre os dois irmãos? O menor pode estar provocando, chorando por não saber responder de outra maneira, obtendo satisfação quando o pai pune o maior. O mais velho pode estar impaciente com a pouca capacidade do pequeno para suas brincadeiras, não percebendo sua própria força, expressando a raiva sem controle.
A resposta do garoto mostra que ele precisa se livrar rapidamente da culpa, já imaginando que será acusado de causar a infelicidade do irmão. O pai confirma esse pensamento ao ameaçar com o castigo automático.
Dar aos irmãos a palavra possibilitaria mostrar a cada um sua participação nas desavenças e responsabilizá-los por ela. Ouvir o que dizem a respeito é a única maneira de saber como o desentendimento é visto por eles e, então, oferecer-lhes alternativas que o adulto julgar adequadas.
Impor um castigo não permite à criança mudar a situação pela qual foi castigada, e a imobiliza na culpa. Ela não poderá fazer nada senão sofrer passivamente a pena imposta, no nosso exemplo ‘ficar sem televisão’. Por outro lado, levá-la a perceber o que fez, oferecer-lhe um meio de reparar ativamente o erro cometido colabora para sua saúde psíquica, sua dignidade, sua formação ética. É ensinar o seguinte: você é o autor, a pessoa que fez a ação e pode também arcar com as consequências: pedir perdão, consertar o que quebrou, ajudar a quem prejudicou, alterar a brincadeira, colaborar para uma mudança efetiva de acordo com suas capacidades.
Todo ser humano tem direito a uma oportunidade para se redimir. Na infância, quando a criança é chamada a se responsabilizar, tem a chance de recuperar seu valor sem ficar imobilizada pela culpa.
·

Helena Grinover e Marcia Arantes

Serviços

Um pensamento sobre “O que fazer com a culpa?

  1. Quando digo que bater não faz entender…Me respondem claro tem que por de castigo!
    Então digo que castigo também não faz entender as consequências…Respondem o que fazer então? Deixar o filho fazer o que quer?
    Não. Fazer o que nós pais fomos chamados a fazer, mostrar-lhes as consequências e deixa-los viver, sentir a vida e o seu reparo diante do erro. Ajuda-los a construir um ser dentro desses pequenos humanos bloquinho, por bloquinho.
    E algo que me ajuda muito quando perco a paciência, é pensar “eu gostaria de ser tratada assim? Com esta injustiça? Com essa omissão dos meus sentimentos?”.
    Amei o livro: COMO FALAR PARA SEU FILHO OUVIR E COMO OUVIR PARA SEU FILHO FALAR.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s