Birras 2

birra2Estou caminhando por um clube bastante tradicional da cidade de São Paulo, quando vejo um garoto de aproximadamente quatro anos chorando muito e urrando “mãe vem aqui !”. A jovem mãe caminhava e se afastava lentamente, aparentando calma e tranquilidade, sem olhar para trás. A cena foi tão impactante que várias pessoas ficaram paradas, sem intervir, mas também sem deixar de olhar, tal era o desespero do pequeno! Finalmente uma menina de seus oito ou nove anos aproximou -se do garoto, ajoelhou-se junto a ele, que a esta altura já estava de joelhos e rouco de tanto gritar, e o acompanhou até sua mãe. Parabéns a ela!
Já ouvi mães dizerem: “se faz birra, finjo que não vejo”.
O adulto entende a birra como uma tentativa de controle da criança sobre ele e “faz de conta” que não está sendo submetido. Na verdade está sim submetido a uma cena, que expõe a ele e a seu filho de forma constrangedora.
Educar a criança é ajudá-la a suportar a frustração de não ter tudo o que quer. A mãe desse garoto deixou- o abandonado ao desespero de não saber mais o que fazer, apenas conseguia gritar até ficar sem voz. Perdeu a oportunidade de ensiná-lo a se acalmar e encontrar uma alternativa para o que quer que fosse que o tenha descontrolado tanto.
·

Helena Grinover e Marcia Arantes

http://marciaarantes.com

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s